Informativo

Câncer de pele

http://oncologialondrina.com.br/Imagem de Câncer de pele

Ele é dividido em dois grupos: o não melanoma (mais comum) e o melanoma (mais grave e menos comum). O não melanoma é o câncer com mais casos no Brasil, como explica a cirurgiã oncológica Dra. Alessandra Spironelli, do Centro de Oncologia e Radioterapia de Londrina.

“O câncer de pele não melanoma representa cerca de 30% do total de casos de câncer no Brasil, a boa notícia é que, em sua maioria, é um câncer menos agressivo, com altas chances de cura”, antecipa.

Diferente do melanoma, ele dificilmente passa por metástase (atinge outras partes do corpo). “Mas isto não significa que possa ser ignorado. Quanto antes diagnosticar e tratar, melhor o prognóstico. O tratamento é feito com a remoção cirúrgica do câncer na pele. Alguns casos podem precisar de radioterapia”, descreve.

Já o melanoma é um câncer agressivo. “O nome vem da sua origem, a melanina, que é a célula que dá cor à nossa pele quando tomamos sol. O melanoma surge quando parte destas células produtoras dos pigmentos que nos dão cor tornam-se cancerígenas e formam o tumor”, explica.

O tratamento deve iniciar o quanto antes, pois as chances de cura se elevam quando o diagnóstico é feito precocemente. “A letalidade vem em virtude das metástases que podem ocorrer, ou seja, o câncer se espalha para outros órgãos tornando o tratamento e a cura mais difíceis”, diz.

O melanoma é tratado cirurgicamente com remoção da lesão, podendo necessitar de quimioterapia e/ou imunoterapia. “O tratamento do câncer é individualizado e leva em consideração o quadro do paciente, o estadiamento do tumor e as características da lesão”, acrescenta.

Os sinais de alerta são manchas que aparecem repentinamente, como pintas, mas que crescem, têm bordas irregulares, alterações na coloração ou sangram. “Toda pinta irregular ou que cresce precisa ser investigada. Boa parte delas será benigna, mas é fundamental descartar o diagnóstico de câncer”, frisa.

Pessoas de pele clara ou que lidam com produtos químicos como o arsênio são mais susceptíveis a este câncer, além, claro, daquelas que se expõem com frequência ao sol. Uso de protetor solar, chapéus e roupas que protegem dos raios UVA e UVB são formas de prevenção.

Galeria de imagens: